sexta-feira, 20 de maio de 2016

Apresentação de Sites

As imagens e os sites que serão apresentados foram desenvolvidos com o objetivo único de levar a Palavra de Deus aos quatro cantos da terra.

Sabemos que o moderno meio de comunicação – Internet – quando usado de forma ética e regular atua como uma ferramenta poderosíssima e de grande utilidade.



Apresentação dos Sites from Pb. João Placoná on Vimeo.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

A Esperança do Cristão

A Esperança do Cristão Segundo a Bíblia

A esperança, pela sua própria natureza, diz respeito ao futuro (Rm 8.24,25). Porém, ela abrange muito mais do que uma simples vontade ou anseio por algo futuro.

O alicerce da esperança segura do cristão procede da natureza de Deus, de Jesus Cristo e da Palavra de Deus.

Esta esperança consiste numa certeza na alma, isto é, uma firme confiança sobre as coisas futuras, porque tais coisas decorrem da revelação e das promessas de Deus.

Noutras palavras, a esperança bíblica do crente está intimamente vinculada a uma fé firme (Rm 15.13; Hb 11.1) e a uma sólida confiança em Deus (Sl 33.21,22).

(1) Temos esperança na graça de Deus e no livramento que Ele nos oferece, nas tribulações desta vida presente (Sl 33.18,19; 42.1-5; 71.1-5,13-14; Jr 17.17,18).

(2) Temos esperança de que chegará o dia em que nossas tribulações cessarão aqui na terra, quando esta não estará mais sujeita à corrupção, e terá lugar a redenção (ressurreição) do nosso corpo (Rm 8.18-25; cf. Sl 16.9,10; 2Pe 3.12; ver At 24.15).

(3) Temos esperança da consumação da nossa salvação (1Ts 5.8.

(4) Temos a esperança de uma casa eterna nos novos céus (2Co 5.1-5; 2Pe 3.13; ver Jo 14.2), naquela cidade cujo arquiteto e edificador é Deus (Hb 11.10).

(5) Temos a bendita esperança da vinda gloriosa do nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo (Tt 2.13), quando, então, os crentes serão arrebatados da terra, para o encontro com Ele nos ares (1Ts 4.13-18, e, quando, então, nós o veremos como Ele é e nos tornaremos semelhantes a Ele (Fp 3.20,21; 1Jo 3.2,3).

(6) Temos a esperança de receber a coroa da justiça (2Tm 4.8), de glória (1Pe 5.4) e da vida (Ap 2.10). Finalmente, temos a esperança da vida eterna (Tt 1.2; 3.7); da vida garantida a todos que confiam no Senhor Jesus Cristo e o obedecem (Jo 3.16,36; 6.47; 1Jo 5.11-13).

A suprema esperança e confiança do cristão não devem estar em seres humanos, nem em bens materiais, nem em dinheiro, antes deve estar em Deus, no seu Filho Jesus e na sua Palavra.

Donald C. Stamps

Pb. João Placoná

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Você está preparado para o grande evento?

Jesus voltando

“Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do filho do homem”. Mateus 24:27.

Subitamente, como algo inesperado, romperá as nuvens, e, surgirá, o desejado das nações; o amado das nossas almas, o que era, aquele que é, e que virá tão rápido quanto o piscar de olhos.

Ele irá transpor as mais brancas nuvens, arrebatando para si os seus eleitos, aqueles que suportaram as afrontas; foram perseguidos, caluniados, passaram necessidades, foram acoitados, sendo livres, foram feitos prisioneiros, exposto ao ridículo, mas, não negou o nome daquele que está acima de todos os nomes, Jesus Cristo!

Para estes, já estão reservados o mais esplêndido dos troféus, a vida eterna com Deus.

O cenário que para muitos é utopia e para outros, é tido como descaso e zombaria, será o mais real evento que o universo poderá assistir.

Haverá alegrias e regozijos para uns, para outros será pleno desespero e agonia; será de grande pavor e aflição para os despercebidos, tristezas profundas, e amargura plena, para os que sabiam disto, mas não deram crédito, será dia de alvoroço como nunca houve na face da terra.

Nada se comparará com a dor que sentirão os que conheceram a verdade, mas preferiram seguir a mentira.

Ai dos que ajuntaram tesouros para si, na terra, e, esqueceram, que a maior das riquezas que alguém possa possuir, será viver com Deus.

Ai dos que vivem aleatoriamente, que mesmo conhecendo o evangelho agem como néscios, que nada sabe sobre o seu Senhor.

Quem dera tivéssemos a oportunidade de, por um segundo apenas, sermos levados para o futuro e pudéssemos contemplar o que já está por vir, o que aguarda a humanidade.

Quem dera nossa mente pudesse esvair-se de si mesma e adentrar na dimensão do que é a volta do Rei dos Reis e Senhor dos Senhores.

Naquele dia os salvos farão festa, mas os que ficarem serão tomados por medo e espanto, como loucos, correrão sem saber para onde esconder-se, irão, em cavernas como coelhos assustados que correm para a toca.

Muitos clamarão por socorro, mas não haverá quem os ajudem, muitos pedirão para que caiam eles os montes, que os soterrem os outeiros, mas de nada valerá, pois, tudo se cumprirá.

Grandes e pequenos, ricos e pobres, velhos e moços, agoniados se lamentarão por não terem dado crédito a Palavra de Deus.

Todo o olho verá, o Grande Eu Sou, com Cetro de Justiça, apontado sobre a terra para fazer justiça aos seus escolhidos.

Todos os Joelhos se dobrarão, todos os lábios professarão que não existe outro Deus. Ele é O Alfa e Omega, o começo e o Fim, tudo se resume Nele, por Ele e através Dele.

No dia em que o sétimo anjo tocar a trombeta, o mistério de Deus será revelado, tudo o quanto os profetas têm anunciado, desde o inicio, se cumprirá.

Preparem-se, Jesus virá! “Mas nos dias da voz do sétimo anjo, quando tocar a trombeta, se cumprirá o segredo de Deus, como anunciou aos profetas seus servos”. Apocalipse 10:07.

Pense Nisto Já, e volte-se para o Senhor, rasgando a sua alma em arrependimento, suplicando a Ele o seu perdão.

“Vigiai, pois porque não sabeis o Daí nem à hora em que o Filho do Homem há de vir”. Mateus 25:13.

Pra. Elza Amorim Carvalho

Pb. João Placoná

quinta-feira, 5 de maio de 2016

O que não é e o que é Salvação

salvação2

O que não é Salvação

Apenas ter uma religião com o nome de cristã. O que dizer dos seguidores do mormonismo, cujo nome da igreja é Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. São eles salvos por seguirem a uma religião “cristã”?

Apenas frequentar ou se tornar membro de uma igreja local. Uma coisa é pertencer a uma igreja, e outra é pertencer à Igreja.

Apenas ter e ler a Bíblia. Isso muitos idólatras fazem!

Apenas professar um credo religioso. Ser salvo é muito mais que adotar, seguir, abraçar dogmas.

Apenas praticar a “regra áurea” de Mateus 7.12. Boas obras não salvam ninguém (Ef 2.8,9).

Apenas aspergir um infante com “água benta”. Afinal, dependendo da idade da criança, sequer tem a capacidade de crer para a salvação (Mc 16.16a; Rm 10.9).

Apenas batizar um adulto ou uma criança. Batismo não salva, mas destina- se a quem já é salvo (Mc 16.16b). Apenas “confirmar” um adepto da sua confissão religiosa.

Apenas participar da Ceia do Senhor, ou da Eucaristia.

Apenas ter um irrepreensível código de conduta, bom testemunho, porte.

Apenas praticar sempre boas obras.

O que é salvação

É tudo o que Jesus realizou e ensinou para levar uma raça pecadora à comunhão com um Deus santo.

Trata-se da redenção do ser humano do poder do pecado (I Pe 1.18,19). É, ainda, a libertação do cativeiro espiritual (Rm 8.2).

É a saída do pecador dentre o poder das trevas do pecado (Cl I.13).

É, finalmente, o retorno do exílio espiritual do pecador para Deus (Ef 2.13).

Isso é salvação em resumo.

Como se vê, o homem não pode efetuar a sua salvação, nem ao menos ajudar nisso (Ef 2.8,9; Tt 2.11; Jn 2.9b).

Daí ter dito o salmista: “A salvação vem do Senhor; sobre o teu povo seja a tua bênção” (SI 3.8).

A salvação é pela graça de Deus, e não por nosso esforço próprio, conquanto os salvos sejam chamados para a prática das boas obras (Ef 2.10).

A salvação é chamada de novo nascimento (Jo 3.5) e de ressurreição (Cl 3.1), não obstante o pecador venha a desejar a “tão grande salvação”, é Jesus Cristo quem o ressuscita dentre os mortos no pecado e o faz nascer de novo.

Afinal, um bebê nada pode fazer para nascer, assim como um morto nada pode fazer para ressuscitar — toda ajuda tem de vir de fora.

Antonio Gilberto

Pb. João Placoná

terça-feira, 3 de maio de 2016

Depressão não é frescura

depressao

“Faz uns dois anos que tenho andado muito estranha. Tenho estado desanimada, sem vontade de correr atrás dos meus sonhos, descuidada, sem vontade de sair de casa e até sem desejo de ir à igreja e orar. Meus parentes tentam me animar, mas, geralmente, não conseguem. Já ouvi alguns deles dizerem que isso tudo é frescura minha, que eu preciso aprender a dar mais valor à minha vida. Isso me machuca muito, não tenho sabido lidar com essa questão. Não sei se procuro um médico, se faço uma campanha de libertação na igreja, já que alguns dizem que estou com problemas espirituais”.

Esta descrição esconde algo muito comum que ocorre em milhares de lares em todo o mundo.

A sociedade tem estado preparada para lidar com doenças físicas (Pneumonia, Gripes, Dengue, Câncer, etc.), mas têm estado pouco preparada para lidar com as doenças emocionais.

Esse é o caso de milhares de famílias. Por isso, trazemos alguns pontos importantes sobre essa questão da depressão, que todos nós devemos refletir.

Depressão não é frescura.

Hoje sabemos que a depressão é uma doença e como tal deve ser tratada com muito cuidado e da forma correta por um profissional da saúde gabaritado. Com o conhecimento que temos, não é mais possível que tratemos uma doença tão grave e com tamanho potencial destrutivo como sendo um simples capricho ou mesmo frescura da pessoa.

Qualquer pessoa que perceba que está estranha, desanimada, sem vontade viver e coisas do tipo, deve procurar a ajuda de um médico para que ele avalie o caso e possa iniciar o tratamento.

Depressão nem sempre está ligada a problemas espirituais.

É muito comum nos meios cristãos se associar esses sintomas da pessoa depressiva a algum pecado grave que a pessoa esteja cometendo ou mesmo a possessões demoníacas.

Sabemos que pessoas que estão longe de Deus e envolvidas em pecados graves podem desenvolver sintomas de depressão, porém, cada caso deve ser avaliado com carinho.

Nem sempre a depressão da pessoa está ligada a causas espirituais. Pessoas que têm a vida espiritual em dia também podem ficar depressivas, pois é uma doença que pode estar relacionada em muitos casos a desregulação hormonal e alterações cerebrais, além de outras causas emocionais, como a perda de um ente querido, por exemplo.

Portanto, uma doença a ser tratada também no campo médico. Devemos agir sem preconceito, buscando ajudar e apoiar a pessoa para que se livre desse mal seja qual for a causa.

Tratar depressão com um médico não é falta de fé. 

Quando temos alguma febre alta, ou uma indisposição mais grave, nossa primeira ação é ir até o pronto-socorro buscar ajuda. Isso não é falta de fé.

É claro que nós oramos, mas não deixamos de ir até os recursos que Deus já nos disponibilizou, os recursos médicos e medicamentosos existentes.

Com a depressão é a mesma coisa. Ele deve ser tratada no campo da oração, da busca da cura em Deus, mas também usando os recursos médicos que Deus, graciosamente, já nos deu através da ciência. Isso é totalmente legítimo.

Tratar a depressão deve mobilizar a família.

Interessante que quando temos, por exemplo, um resfriado, a família se mobiliza. A mãe faz uma canja de galinha, toma precauções para o descanso do doente, etc. Quando alguém tem depressão (doença muito mais grave que uma gripe) precisa também, muito mais, no apoio de quem está ao seu redor (amigos e familiares). E esse apoio vem com palavras e atitudes positivas.

Dizer que a pessoa está com frescura ou usar apenas a crítica não ajuda. O ideal é que a família perceba o que está acontecendo e se informe, ou com um médico, ou com literaturas especializadas, sobre como agir positivamente para abençoar a pessoa que passa pela depressão.

Depressão também deve ser tratada no campo espiritual.

Nós que somos cristãos cremos que Deus participa ativamente de nossa vida. Por isso, a depressão, por mexer fortemente com nossa alma, deve ser tratada também no campo espiritual, seja resolvendo questões espirituais importantes que atrapalham a pessoa a melhorar da depressão (mágoa, falta de perdão, tristeza, falta de fé, etc.), seja com apoio e aconselhamentos.

Quando a pessoa se sente amada e acolhida, o tratamento faz muito mais efeito. O tratamento médico aliado ao apoio espiritual gera muito mais curas e melhoras dos quadros depressivos. Isso já é mais que provado.

Por fim, cremos que o importante é conversar com a família sobre o sintoma. Peça a eles que te compreendam que te ajudem a superar esse momento difícil. Diga a eles que não é frescura o que tem passado.

Peça ajuda, não fique sozinha, isolada, pois isso apenas piora o seu quadro depressivo.

Essa é uma força que você precisa fazer para dar início à sua melhora.

É o começo do seu tratamento. Reconhecer que está doente e pedir ajuda. Com a ajuda de Deus, e com todos os recursos médicos disponíveis, você pode melhorar e pode ser curada dessa doença.

Pb. André Sanchez

Pb. João Placoná

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Você é realmente convertido?

nova vida

Você que aceitou a Jesus Cristo por seu Senhor e Salvador pessoal, nasceu de novo - nasceu de Deus. O fardo do pecado já não existe. A Paz de Deus reina em seu coração. A alegria do perdão divino pertence a você, assim como a vida eterna.

Ao aceitar a Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador você tomou a decisão mais importante de sua vida. Agora é necessário entender o que Deus fez por você e aprender, por meio desta leitura, como usufruir das bênçãos que Deus tem reservado para sua vida.

Uma vez que, agora, o seu nome está registrado no Livro da Vida do Cordeiro, que é o Senhor Jesus Cristo, você não mais se encontra sob a condenação, mas está justificado pela fé em Cristo.

Mas, o que é conversão?

A conversão é o que acontece quando Deus desperta aqueles que estão espiritualmente mortos e os capacita a se arrependerem de seus pecados e a terem fé em Cristo.

É virar completamente a vida de alguém do pecado para Cristo e para a salvação. Da adoração de ídolos para a adoração de Deus. Da auto-justificação para a justificação de Cristo. Do governo do ego para o governo de Deus.

Quando você está convertido, você não só sabe o que deve fazer, mas também deseja fazer as coisas certas. Não basta evitar fazer o mal por estar com medo de ser apanhado ou punido. Quando está verdadeiramente convertido, você realmente quer escolher o certo.

Outro sinal da conversão é que você não tem mais o desejo de fazer o mal.

Quando está convertido, você se preocupa mais com o que Deus pensa do que com o que os outros pensam sobre você.

Quando convertido, você dá o máximo de si para viver o evangelho sempre, não só aos domingos ou quando é conveniente, mas o tempo todo. Suas ações não mudam dependendo de quem está com você ou de que alguém possa estar observando você.

Quando seus colegas contam uma piada suja ou querem assistir a um filme pornográfico, você não vai junto com eles apenas porque ninguém está olhando, mas se mantém fiel às coisas em que acredita.

Quando está convertido, você é mais bondoso e compassivo no trato com os outros. Não julga ou critica nem faz mexericos. Você está mais consciente dos sentimentos alheios, e é natural procurar maneiras de servir e ajudar.

Quando você está convertido, seu desejo de orar aumenta e você sente que está realmente se comunicando com Deus quando ora. Você sempre vai arranjar tempo para orar, a despeito de como esteja se sentindo ou do que esteja acontecendo em sua vida.

Quando se torna convertido, você anseia pelo domingo porque é o Dia do Senhor. Quando chega o domingo, em vez de pensar: “Puxa, este é um dia em que eu não posso sair com os amigos ou ir ao cinema”, você pensa: “Que ótimo este é um dia em que posso ir à Igreja e me concentrar em coisas espirituais e ficar com a família!”.

Quando convertido, você guarda os mandamentos e não procura desculpas, não justifica seu comportamento nem tenta encontrar um meio de driblá-los.

Quando convertido, você anseia em colaborar não só com a manutenção da Igreja com suas ofertas financeiras, mas com também com o seu trabalho.

Quando está convertido, você tem um forte desejo de ajudar os outros a conhecer a verdade e a felicidade que você encontrou.

Vive o evangelho em todos os aspectos de sua vida. Vive o evangelho em sua plenitude, não porque é obrigado, mas porque quer. Você é uma pessoa mais feliz e mais agradável e quer se tornar a pessoa que o Pai Celestial deseja que você seja.

Você quer ser como Jesus Cristo e seguir Seu exemplo. Quando se tornar essa pessoa, estará realmente convertido.

Não devemos esquecer de que nem todos os que nasceram de famílias congregadas ao nome do Senhor são realmente convertidos.

Muitos acabam deixando de ir às reuniões quando atingem a adolescência e tornam-se mais independentes dos pais, ou por nunca terem crido no evangelho, ou porque são convertidos, mas estão em busca de algo "mais animado", onde tenha mais atividade cultural e social.

Outros saem por estarem interessados em algum relacionamento com pessoas nas denominações.

Outros ainda são convertidos, mas preferem se filiar a alguma denominação onde não exista julgamento do pecado, cujo pastor apenas prega amenidades, só falam em curas, prosperidade e se esquecem de falar da obra de Jesus.

Alguns querem antes "experimentar" as coisas do mundo. Isso é não entender que nossa responsabilidade não é para com os irmãos na assembleia, mas para com o Senhor da assembleia, o qual é o mesmo Senhor de todo crente, esteja ele em comunhão à mesa do Senhor ou não.

Finalizando, a verdadeira evidência de uma conversão genuína é uma contínua obra de Deus na alma da pessoa e a transformação da sua vida.

Examine-se! Ainda há tempo, fique com Deus!

Pb. João Placoná

Tyler Orton

Mario Persona

sábado, 23 de abril de 2016

Há vida após a Morte?

vida após morte

A Bíblia nos diz: “O homem, nascido de mulher, vive breve tempo, cheio de inquietação. Nasce como a flor e murcha; foge como a sombra e não permanece... Morrendo o homem, porventura tornará a viver” (Jó 14:1-2,14)?

Como Jó, quase todos nós já fomos desafiados por essa pergunta. O que exatamente acontece conosco depois que morremos? Simplesmente cessamos de existir? É a vida uma porta giratória de saída e volta para a terra para se alcançar grandiosidade pessoal? Todos vão para o mesmo lugar, ou vamos para lugares diferentes? Existem mesmo céu e inferno, ou são estes apenas um estado de consciência?

A Bíblia nos diz que não apenas há vida após a morte, mas vida eterna tão gloriosa que “Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam” (1 Coríntios 2:9).

Jesus Cristo, Deus em carne, veio à terra para nos dar o dom da vida eterna. “Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados” (Isaías 53:5).

Jesus tomou para Si a punição que cada um de nós merece e sacrificou a Sua própria vida. Três dias depois, Ele provou que era vitorioso sobre a morte saindo da sepultura, em Espírito e carne. Ele permaneceu na terra por quarenta dias e foi visto por milhares antes de subir para a sua morada eterna nos céus.

Romanos 4:25 diz: “O qual por nossos pecados foi entregue, e ressuscitou para nossa justificação.”
A ressurreição de Cristo foi um evento bem documentado. O apóstolo Paulo desafiou pessoas a questionarem testemunhas oculares sobre a sua validade, e ninguém foi capaz de contestar a verdade da ressurreição.

A ressurreição é a pedra angular da fé Cristã; porque Cristo foi ressuscitado dos mortos, nós podemos ter fé de que nós, também, seremos ressuscitados.

Paulo admoestou alguns dos primeiros cristãos que não acreditavam nisso: “Ora, se é corrente pregar-se que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como, pois, afirmam alguns dentre vós que não há ressurreição de mortos? E, se não há ressurreição de mortos, então, Cristo não ressuscitou” (1 Coríntios 15:12-13).

Cristo foi apenas o primeiro de uma grande colheita daqueles que serão ressuscitados para a vida mais uma vez. A morte física veio através de um homem, Adão, do qual somos todos descendentes. Mas todos aqueles que foram adotados para a família de Deus através da fé em Jesus Cristo terão uma nova vida (1 Coríntios 15:20-22). Tal como Deus levantou o corpo de Jesus, assim serão os nossos corpos ressuscitados quando Jesus voltar (1 Coríntios 6:14).

Todos seremos, no final, ressuscitados, mas nem todos irão para o céu juntos.

Uma escolha deve ser feita por cada pessoa nesta vida para determinar para onde ela vai na eternidade. A Bíblia diz que está marcado para que nós morramos uma vez, e após isso virá o julgamento (Hebreus 9:27).

Aqueles que foram feitos justos irão para a vida eterna no céu, mas os incrédulos receberão punição eterna, ou inferno (Mateus 25:46).

O inferno, como o céu, não é apenas um estado de existência, mas um lugar literal, e muito real. É um lugar onde os injustos receberão incessante e eterna ira de Deus. Eles receberão tormento emocional, mental e físico, sofrendo conscientemente de vergonha, arrependimento e desgraça.

O inferno é descrito como um abismo sem fim (Lucas 8:31, Apocalipse 9:1), e um lago de fogo, queimando com enxofre, onde os seus habitantes serão atormentados dia e noite para todo o sempre (Apocalipse 20:10).

No inferno haverá choro e ranger de dentes, indicando intensa tristeza e raiva (Mateus 13:42). É um lugar “onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga” (Marcos 9:48).

Deus não tem prazer na morte dos ímpios, mas deseja que eles se voltem contra seus desejos pervertidos para que possam viver (Ezequiel 33:11). Mas Ele não irá nos forçar à submissão; se nós escolhermos rejeitá-lo, Ele tem pouca escolha a não ser nos dar o que nós queremos – uma vida longe Dele.

A vida na terra é um teste – uma preparação para o que há de vir. Para os crentes, é a vida eterna na presença imediata de Deus. Então, como nos tornamos justos e aptos a receber esta vida eterna?

Há apenas um caminho – através da fé e confiança no Filho de Deus, Jesus Cristo. Jesus disse: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente” (João 11:25-26).

O dom gratuito da vida eterna está disponível para todos, mas requer que neguemos alguns prazeres do mundo e que nos sacrifiquemos para Deus.

“Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus” (João 3:36).

Nós não teremos a oportunidade de nos arrependermos dos nossos pecados após a morte porque uma vez que nós estivermos face a face com Deus, não teremos escolha a não ser acreditar Nele. Ele quer que nos cheguemos a Ele em fé e amor agora. Se nós aceitarmos a morte de Jesus Cristo como pagamento pela nossa rebelião pecaminosa contra Deus, teremos garantida não só uma vida de significado na terra, mas também vida eterna na presença de Cristo.

Se você quer aceitar Jesus como seu Salvador, aqui está uma oração modelo. Lembre-se que fazer esta oração ou qualquer outra oração não irá salvar você. Apenas confiando em Cristo você pode ser salvo do seu pecado. Esta oração é simplesmente uma forma de expressar para Deus a sua fé Nele e agradecer por lhe dar a salvação.

“Deus, eu sei que pequei contra Ti e mereço punição. Mas Jesus Cristo tomou a punição que eu mereço para que, através da fé Nele, eu pudesse ser perdoado. Eu me volto contra o meu pecado e ponho a minha fé em Ti para salvação. Obrigado por Tua graça e perdão maravilhosos – o dom da vida eterna! Amém!”

Pr. Donizeti Alves Batista
Pb. João Placoná