sábado, 15 de julho de 2017

Os Falsos Profetas

falso profeta 2

A Bíblia diz que os falsos profetas são perigosos e causam muitos problemas.

Deus não se agrada dos falsos profetas, porque falam mentiras em Seu nome.

Um profeta é uma pessoa que recebe e transmite uma revelação de Deus. Um falso profeta não recebe uma revelação de Deus mas diz que recebeu...

O falso profeta engana as pessoas com mensagens falsas, que não vêm de Deus.

Jesus avisou que nos últimos tempos iriam surgir muitos falsos profetas para enganar até os crentes. Por isso, quando alguém diz que é profeta, é muito importante analisar a profecia à luz da Bíblia para ver se é verdadeira ou falsa.

Algumas características de falsos profetas:

1 – Suas profecias não se cumprem – Se a profecias não se cumprem, não vem de Deus;

2 – Contradizem a Bíblia – Ensinam coisas erradas, que não estão de acordo com o que a Bíblia diz;

3 – Causam problemas – Provocam divisões, controvérsias e contendas entre os irmãos da Igreja;

4 – São manipuladores - Os falsos profetas procuram satisfazer desejos egoístas, como ter poder, dinheiro ou influência; usam engano, chantagem emocional, medo, bajulação para conseguirem o que querem;

5 – Não ouvem a verdade – Quando confrontados com a verdade, não se arrependem nem aceitam nenhuma dúvida; muitos falsos profetas saem das Igrejas para criar movimentos novos porque não aguentam ouvir a verdade.

Os falsos profetas começaram a aparecer já nos dias dos apóstolos. Desde aquele tempo as sementes do erro têm sido lançadas.

Desde então, eles têm aparecido continuamente. Precisamos estar preparados contra eles, mantendo-nos sempre em guarda.

Há milhares de pessoas que parecem estar sempre prontas a crer em qualquer coisa que ouvirem desde que, venha dos lábios de alguém que tenha o título de ministro religioso.

Esquecem-se que um clérigo pode errar, tanto quanto um leigo. Eles não são infalíveis. O que eles ensinam precisa ser confrontado com os ensinamentos das Sagradas Escrituras. Só devemos seguir tais ministros, e crer no que ensinam enquanto as doutrinas por eles ensinadas concordarem com a Bíblia, e nem uma palavra a mais.

Devemos fazer prova deles, pelos “seus frutos”. Sã doutrina e vida santa são sinais característicos dos verdadeiros profetas.

Os erros dos nossos ministros não justificam os nossos próprios erros. “Se um cego guiar outro cego, cairão ambos no barranco” Mateus 15:14.

Qual a melhor salvaguarda contra falsos ensinamentos? Sem sombra de dúvida, a resposta é o estudo regular da Palavra de Deus, sempre acompanhado de uma oração que rogue a iluminação do Espírito Santo.

A Bíblia foi-nos outorgada para ser uma lâmpada para os nossos pés e luz para os nossos caminhos – Salmos 119:105.

Deus não permitirá que quem a ler corretamente caia em algum erro irremediável.

A negligência para com a Bíblia é que faz tantas pessoas se tornarem presas fáceis do primeiro falso mestre que aparecer. A verdade pura e simples é que são pessoas preguiçosas, negligenciam a leitura da Bíblia e não querem ter o trabalho de pensar por si mesmos. Não existe nada que forneça tantos seguidores para os falsos profetas do que a preguiça espiritual, disfarçada sob uma capa de humildade.

Lembremo-nos que não são apenas o mundo, o diabo e a carne únicos perigos no caminho do cristão. Há outro, o “falso profeta”, o lobo disfarçado de ovelha.

Feliz é quem estuda a Bíblia e ora, e sabe a diferença entre a verdade e o engodo, na religião!

Respostas Bíblicas

J.C. Ryle

Pb. João Placoná

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Por que sofrer?

sofrimento

Jesus ensinou que o mundo visto da perspectiva de Deus está posicionado a favor dos oprimidos.

Este ensino aparece no Sermão do Monte e em outras declarações de Jesus: “ Muitos primeiros serão os últimos” (Mt 19:30; Marcos 10:31; Lucas 13:30) “... e o que se humilha será exaltado” (Lucas 14:11; 18:14).

Entretanto, por que Deus escolheria dar atenção especial para os oprimidos?

1 – O sofrimento nos ajuda a perceber nossa urgente necessidade de redenção

2 – O sofrimento nos ajuda a experimentar nossa dependência de Deus e a interdependência uns dos outros.

3 – O sofrimento nos ajuda a estabelecer a diferença entre necessidades e luxos.

4 – O sofrimento nos ajuda a responder ao chamado do
Evangelho, pois ficamos tão desesperados que clamamos a Deus.

Os pobres, os famintos, os que choram e aqueles que sofrem são bem-aventurados (Mateus 5:3-6), porque a falta de autossuficiência é evidente para eles todos os dias. Eles precisam recorrer a alguma fonte para encontrar força.

As pessoas que são ricas, bem-sucedidas e belas podem viver seus dias confiando em seus dons naturais. No entanto, as necessitadas, dependentes e insatisfeitas com a vida estão propensas a acolher o dom gratuito do amor de Deus.

“Bem-aventurados os humildes de espírito...” Por quê? Porque...”deles é o reino dos céus” (Mateus 5:3).

Quanto mais fracos nos sentirmos, maior será a nossa dependência de Deus.

Nosso Andar Diário

Pb. João Placoná

sábado, 24 de junho de 2017

Fim da Alma

alma

A grande maioria das pessoas vive em busca de progresso material; isto não está errado, entretanto, o erro se configura quando estas ambições ou conquistas são estabelecidas antes de servir, honrar e glorificar a Deus.

Por mais rico que alguém seja, a sua riqueza não terá nenhum valor quando chegar à eternidade.

Tudo que acumulou ficará neste mundo para ser disputado pelos herdeiros.

Porém, se a sua vida serviu ao Senhor, era rico material e espiritualmente, seus herdeiros seguirão os seus passos e continuarão a sua obra.

Ninguém escapará da justiça de Deus; ela se dará quando deixarmos esta vida e chegarmos à eternidade. E você, já entregou de fato seu coração e sua vida a Jesus?

Ele pergunta neste momento a você: "O que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou o que dará o homem em troca da sua alma?" (Mateus: 16.26).

Todos os bens materiais, bem como o próprio ser humano com seus prazeres, vaidades, ambições e glórias, são transitórios neste mundo. Tudo cessa. Tudo acaba.

Mas, a alma permanecerá por toda a eternidade. Viverá eternamente na companhia de Deus ou no inferno, dependendo da sua escolha neste mundo.

Depois disso não há missa, nem vela, nem riqueza que possam mudar o destino da alma humana.

A porta ainda está aberta. Não perca tempo!

Pr. Reinaldo Ribeiro

Pb. João Placoná

domingo, 11 de junho de 2017

Confissão e Pecado

confessando

A Bíblia ensina que a confissão é pré-requisito para o perdão divino, seja para salvação ou comunhão diária.

Tal confissão envolve arrependimento e, se necessário restituição.

A confissão sem arrependimento é fraude. “O que encobre as suas transgressões jamais prosperará, mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia” Provérbios 28:13.

Às vezes a confissão exige a restituição - Êxodo 22:1-15. Este é o aspecto da confissão que sempre é esquecido. Mas se nosso pecado privou alguém do que lhe pertencia por direito (bens, dinheiro, trabalho), devemos nos apressar em restituir.

As Escrituras anunciam que Deus perdoa livremente os que confessam os seus pecados.

A confissão é humilhante, mas “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” I João 1:9.

É extraordinário o fato de o Deus onisciente prometer não apenas nos perdoar, mas também esquecer-se de nossos pecados para sempre!

Pão diário

Pb. João Placoná

segunda-feira, 29 de maio de 2017

A Chamada para a Salvação

salvacao 3

Deus nunca força o homem aceitá-lo, mas certamente convida a receber a salvação.

Este convite inclui o dom da graça de Deus e o poder do Espírito Santo para convencer o homem do pecado e ajudá-lo na decisão para sua salvação.

Os atos da graça divina mediante a salvação são conhecidos como “a chamada para a salvação”. “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Rm 8.28).

I. A NECESSIDADE DA CHAMADA

Certo líder espiritual observou que o homem não descobre a Deus, mas, sim, Deus se revela ao homem através das Escrituras Sagradas. Além disto, o homem não pode iniciar ou realizar sua salvação à parte de Deus. Por causa da sua natureza pecaminosa, o homem é espiritualmente um “inválido”, incapaz em si mesmo de dar um só passo em direção a Deus (Rm 3.11). Porque a natureza depravada do homem e seu pecado tornam-se incapaz de vir a Deus.

Por isso Deus teve que vir até ele. Portanto, Deus precisou prover não somente um meio de salvação (a redenção em Cristo); mas também Ele restaura ao homem a capacidade de buscá-lo. Ele mesmo atrai todos os homens a Si, no recebimento da salvação, mediante o Espírito Santo.

Sem esta ajuda divina nenhum homem poderia jamais ser salvo. “Porque Cristo, quando nós ainda éramos fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios” (Rm 5.6). “Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia” (Jo 6.44).

Conforme a resposta positiva que Deus vê no coração do homem em aceitá-lo, ele restaura, liberta, perdoa e transforma o homem numa nova criatura.

II. SALVAÇÃO OFERECIDA A TODOS

A preservação da vida de Raabe e sua família (Hb 11.31); a benção sobre a vida de Rute (Rt 4.13-22); e a cura de Naamã (2º Rs 5.1-14), são apenas alguns exemplos de que Deus é Senhor e abençoador de todos.

Ele quer salvar a todos (T 2.11; Mt 11.28; Jô 6.37; Ef 4.6). O profeta Jonas testificou que Deus é misericordioso para aceitar a qualquer um que se arrependa de seus pecados (Jn 4.2).

O evangelho de João 1.12, confirma este propósito de Deus: salvar a todos (Jo1.12). Jesus também o declarou (Jô 3.17; 5.24).

Infelizmente, muitos são os que rejeitam o convite da graça de Deus e acabam por desprezar a Cristo, acarretando sobre si a ira divina.

III. A NATUREZA DO CHAMAMENTO

É importante compreender que o chamamento de Deus para a salvação.

Deus deseja que todos recebam a salvação em Cristo, e a vida eterna que Ele oferece. Deus deseja que todos os homens sejam salvos. Ele não força a decisão do homem, mas Seu próprio desejo é que o mundo receba. “...não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento’ (2ª Pe 3.9b).

Portanto Deus deseja que todos cheguem ao arrependimento e recebam o perdão de seus pecados.

O convide de Jesus não é seletivo, mas para todos os homens. “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei” (Mt 11.28). Embora o chamamento de Deus seja dirigido a todos os homens, estes não são obrigados a aceitá-lo.

O fato do chamamento ser universal, a salvação não é universal, mas individual. Assim como a redenção de Cristo é suficiente para todos, mas eficaz somente para o que crê, assim também a chamada de Deus é válida para o mundo inteiro. Mas aplicável somente aqueles que a atendem.

“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16). Jesus convida a todos para que recebam a vida eterna.

Deus chama o homem para desfrutar de uma porção especial no Seu evangelho. “Ah! Todos vós, os que tendes sede, vinde às águas; e vós, os que não tendes dinheiro, vinde, comprai e comei; sim, vinde e comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite” (Is 55.1).

No capítulo 55 o profeta messiânico prenuncia o evangelho da graça. As primeiras palavras deste capítulo fazem nos lembrar aos de nosso Senhor Jesus Cristo no grande dia da Festa dos Tabernáculo: “No último dia, o grande dia da festa, levantou-se Jesus e exclamou: Se alguém tem sede, venha a mim e beba” (Jo 7.37). O evangelho faz o seu apelo ao um mundo sedento. Notemos os seguintes pontos:

1. Um evangelho de graça: tudo é oferecido “sem dinheiro e sem preço”.

2. É um evangelho de fé e não de obras: “Inclinai os ouvidos e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá” (v.3).

3. É o evangelho de Cristo (v.4). Deus o tem dado como príncipe e Comandante do povo, para ser o Capitão da sua salvação. Os que o procuram, acham; e todos os que o invocam (v. 6) recebem misericórdia e perdão (v.7).

4. É um evangelho de gozo (v.12). Quem o recebe sai cantando, como o eunuco da Etiópia (At 8.39).

5. É um evangelho frutífero (v.13). “Em lugar do espinheiro, crescerá o cipreste, e em lugar da sarça crescerá a murta”. As obras da carne cedem lugar ao fruto do Espírito.

IV. O CHAMADO ESPECIAL

O chamamento básico e geral de Deus é para o arrependimento (Mt 3.2; 2ª Pe 3.9) e para a fé (Rm 10.9; 1ª Jo 3.23).

Este é o chamamento para a salvação, o qual envolve outros chamamentos mais específicos.

Primeiramente, os que recebem o chamamento para a salvação recebem uma vocação especial para serem num sentido específico os “chamados”, em contraste com o restante do mundo (1ª Co 1.26; Ef 1.18), pois são chamados para serem santos (1ª Co 1.7).

Em segundo lugar, os que “chamados para serem santos” também recebem chamamento para ministérios específicos, assim como Paulo foi “chamado” para ser apóstolo (Rm 1.1).

Então? Já descobriu o seu chamado?

Pr. Elias Ribas

Pb. João Placoná

sábado, 27 de maio de 2017

Como posso me tornar um filho de Deus?

filho de Deus

É muito simples: "Mas, a todos quantos o [Jesus] receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus" (João 1:12).

Você precisa nascer de novo

Quando visitado por um líder religioso chamado Nicodemos, Jesus não imediatamente o assegurou de que ia ao céu. Ao invés, Cristo disse: "Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus" (João 3:3).

A primeira vez que uma pessoa nasce, ela herda a natureza pecaminosa que resulta da desobediência de Adão no Jardim do Éden. Ninguém tem que ensinar uma criança a pecar. Ela já naturalmente segue seus desejos de fazer o errado, os quais a levam a cometer pecados como mentir, roubar e odiar. Ao invés de ser um filho de Deus, a criança é na verdade um filho da desobediência e ira.

“Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar [Satanás], do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais” (Efésios 2:1-3).

Como filhos da ira, merecemos ser separados de Deus no inferno. Felizmente, a passagem continua: “Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, - pela graça sois salvos-” (Efésios 2:4-5).

Receba a Jesus

"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus" (João 1:12).

Esta passagem explica claramente como tornar-se um Filho de Deus.

Precisamos receber Jesus através da fé nEle. O que precisamos acreditar sobre Jesus?

Primeiro, precisamos reconhecer que Jesus é o eterno Filho de Deus que se tornou homem. Nascido do poder do Espírito Santo, pela virgem Maria, Jesus não herdou a natureza pecaminosa de Adão. Então, Ele é chamado de segundo Adão (1 Coríntios 15:22).

Enquanto que a desobediência de Adão trouxe a maldição do pecado ao mundo, a vida perfeita de Cristo pode cobrir as nossas transgressões. Nossa resposta deve ser de nos arrepender (voltar-nos contra o pecado), confiando em Sua vida perfeita para nos purificar.

Segundo, precisamos ter fé em Jesus como Salvador. O plano de Deus foi de sacrificar o Seu Filho perfeito na cruz para pagar pela punição que merecemos pelo nosso pecado: a morte. A morte de Cristo liberta a todo aquele que O recebe da penalidade e do poder do pecado.

Finalmente, precisamos seguir a Jesus como Senhor. Depois de fazer de Cristo o Vitorioso sobre o pecado e a morte, Deus deu a Ele toda autoridade (Efésios 1:20-23). Jesus guia todos que O recebem; Ele vai julgar a todos que O rejeitam (Atos 10:42).

Porque a graça de Deus nos leva ao arrependimento e fé no Salvador e Senhor, somos nascidos de novo para uma nova vida como filhos de Deus. Apenas aqueles que recebem a Jesus – não apenas um conhecimento intelectual sobre Ele, mas realmente dependendo dEle de coração para a salvação, submetendo-se a Ele como Mestre, e amando a Ele como o tesouro supremo – tornam-se filhos de Deus.

Torne-se um filho de Deus

"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que creem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus" (João 1:12-13).

Assim como não tivemos influência alguma sobre o nosso nascimento a este mundo, não podemos fazer nada que causaria o nosso nascimento à família de Deus, nem através de boas obras, nem por invocar uma fé qualquer. Como o verso acima diz: Deus é quem “nos deu o poder” de acordo com a sua vontade graciosa. “Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus” (1 João 3:1). Por causa disso, o filho de Deus não tem nada do que se orgulhar, mas se vangloria apenas no Senhor (Efésios 2:8-9).

Uma criança cresce e se parece com os seus pais. Igualmente, Deus quer que Seus filhos tornem-se mais e mais como Jesus Cristo. Apesar de que apenas no céu seremos perfeitos, um filho de Deus não vai habitualmente pecar sem se arrepender. “Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém; aquele que pratica a justiça é justo, assim como ele é justo. Aquele que pratica o pecado procede do diabo, porque o diabo vive pecando desde o princípio. Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo. Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus. Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica justiça não procede de Deus, nem aquele que não ama a seu irmão” (1 João 3:7-10).

Não se engane; um filho de Deus não pode ser “renegado” por pecar.

Entretanto, alguém que “pratica” o pecado (quer dizer, consistentemente desfruta do pecado sem se preocupar em viver de uma forma que agrade a Deus) revela que nunca nasceu de novo. Jesus falou a tais pessoas: “Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhes aos desejos” (João 8:44).

Os filhos de Deus, por outro lado, não mais desejam a gratificação do pecado, mas sim conhecer, amar e glorificar ao seu Pai.

A recompensa de ser um filho de Deus é imensurável. Como filhos de Deus, fazemos parte de Sua família (a igreja), temos como promessa um lar no céu e recebemos o direito de nos aproximar de Deus em oração como o nosso Pai (Efésios 2:19; 1 Pedro 1:3-6; Romanos 8:15).

Responda ao chamado de Deus de se arrepender dos seus pecados e acreditar em Cristo. Torne-se um filho de Deus hoje mesmo!

Faça, agora, a seguinte oração de comprometimento:

Senhor, eu preciso de ti.

Abro a porta da minha vida e recebo-te como meu Salvador e Senhor.

Toma conta da minha vida.

Agradeço-te porque perdoas os meus pecados e me aceitas como sou.

Gotquestions.org/Português

Pb. João Placoná