sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Quando as nossas forças se forem

abatido

Porque eu, o Senhor teu Deus, te tomo pela tua mão direita; e te digo: Não temas, eu te ajudo. Isaías 41:13

Há momentos na vida da gente que parece que as dores não terão fim; são tantos os obstáculos à nossa frente que a vontade é parar e sentar-se à beira do caminho, são tantas as lutas que parece que as nossas armaduras desgastam-se e já não se tem como continuar na batalha.

Há época que as nuvens contrárias parecem centralizar-se sobre as nossas cabeças, causa-nos a impressão que as forças do mal deram as mãos em torno das nossas vidas, são tantas confusões que nossa mente fica bombardeada por ataques invisíveis.

Olhamos para todos os lados e nos perguntamos: O que vou fazer?

Realmente, a situação parece uma escada com degraus de apenas descida, tudo ao nosso redor tornar-se um grande lago de areia movediça; quando nos mexemos, afundamos cada vez mais. Tudo parece ser o fim, mas, para aquele que não conhece a Deus.

Mas, aquele que faz do Senhor seu braço forte mesmo na tribulação não perde a esperança, pois entende que, há qualquer momento a sua vitoria chegará.

Das grandes provas que viram os teus olhos, e dos sinais, e maravilhas, e mão forte, e braço estendido, com que o Senhor teu Deus te tirou; assim fará o Senhor teu Deus com todos os povos, diante dos quais tu temes. Deuteronômio 7:19.

O que acontece é que muitas vezes canalizamos nossas forças em direção errada, confiamos em tantas coisas, em tantas pessoas ou até em nós mesmos e nos esquecemos Daquele que tudo pode fazer, Mas eu confiei em ti, Senhor; e disse: Tu és o meu Deus. Salmos 31:14.

É nesta hora que devemos seguir o exemplo do rei Davi, A ti levanto os meus olhos, ó tu que habitas nos céus. Salmos 123:1, Davi sabia que ele era pequeno demais diante das grandes tribulações que surgiam, justamente, por isso que, em todo o tempo ele olhava diretamente para Deus, por que as nossas forças podem fraquejar, porém o Todo Poderoso jamais oscila. Ó minha alma, espera somente em Deus, porque Dele vem a minha esperança. Salmos 62:5.

Entenda que, se Deus já lhe tirou do lamaçal do pecado, Ele não permitirá que você venha sucumbir nessa situação ruim, Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão; Deuteronômio 5:6

Por mais profundo seja este mar de angústia, use a única arma capaz de lhe trazer à tona, a sua fé. Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé. 1 João 5:4.

Acalme-se, respire fundo, se você se encontra tão sufocado a ponto de não conseguir falar, apenas pense em Deus, procure concentrar suas forças no entender que Deus está contigo e Ele te dará refúgio.

Esqueça por um momento o quanto é forte a dor, elimine esse “eu não vou conseguir”, dentro de você existe um botão que só você pode ativar, chama-se Deus, pense Nele, Ele já esta ouvindo, apenas aguardando você chamá-Lo.

Talvez você esteja dizendo: Eu já o tenho chamado tanto que já fiquei com rouquidão..., faça de novo, quantas vezes forem necessárias, aja igual a esta viúva: E havia naquela mesma cidade, uma certa viúva, que ia ter com ele, dizendo: Faze-me justiça contra o meu adversário. Lucas 18:3, o importune, se aquele juiz ruim resolveu beneficiar a viúva, imagine então o que Deus não fará por você?

Deus, jamais se cala quando alguém clama por Ele. Se ainda a tua resposta não veio foi porque estavas pedindo errado. Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites. Tiago 4:3, tente novamente.

Tudo o que nos acontece tem um porque de Deus, tudo sucede igualmente a todos: o mesmo sucede ao justo e ao ímpio, ao bom e ao puro, como ao impuro; assim ao que sacrifica como ao que não sacrifica; assim ao bom como ao pecador; ao que jura como ao que teme o juramento. Eclesiastes 9:2.

Deus trabalha além do nosso entender, certamente, nenhum de nós, aceita o jeito Dele agir, pois, todo aquele que está em uma luta só pensa em logo vencer, não se lembra que, muitos podem morrer.

Qualquer um que esteja doente pensa de imediato ficar curado; não importa o remédio que venha tomar, mesmo que este remédio possa lhe trazer outra doença.

Deus não quer isso para nossas vidas, Ele quer sejamos vitoriosos sem deixar nenhuma sequela para retorno do mal.

Lembre-se, se acabaram as tuas forças, Respire fundo, não desanime, confie na força do Senhor dos Exercito, Ele está contigo. Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça. Isaías 41:10, Ele se levantará do seu trono de glórias com poder e autoridade para esmagar tudo aquilo que fere a tua alma, Ele erguerá o seu cetro de justiça em tua direção e fará com que o teus inimigos fique emudecidos diante da sentença de vitória que Ele irá te outorgar.

Apenas confie, nunca alguém que esperou em Deus ficou sem resposta.

As tuas dores podem até parecer enormes, isto porque, elas não viram ainda o tamanho do Deus que contigo está. Confiai no SENHOR perpetuamente; porque o SENHOR DEUS é uma rocha eterna. Isaías 26:4

O que atenta prudentemente para o assunto achará o bem, e o que confia no Senhor será bem-aventurado. Provérbios 16:20

Pastora Elza Carvalho

Pb. João Placoná

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

O Caráter Cristão

Vivemos numa época em que os valores estão sendo descartados dia-a-dia. A sociedade tem andado num ritmo acelerado de inversão de valores a ponto de não nos espantarmos mais com a infinidade de absurdos que nos são comunicados.

O mundo tenta impor, através de diversos meios, que Deus, a família, a igreja, o bom caráter e a moral não são relevantes ou necessários.

Nesta sociedade relativista, o valor absoluto das coisas se perdeu, e cada qual cria seu próprio mundo, sua própria cosmovisão.

Desta forma, os valores que o cristianismo apregoa são considerados por muitos como falidos e ultrapassados.

Valores estranhos que outrora não faziam parte da realidade da igreja passam a ser tolerados.

A igreja que antes era caracterizada por andar na contramão dos valores materialistas tem se deixado levar por modismos e novidades que passam a moldar seu “novo” jeito de ser.

Neste ritmo, já não podemos brilhar como luz do mundo e nem temperar como sal da terra.

Neste ritmo, a moral e o bom caráter não têm um valor tão intenso como deveria ter.

Não importa se a igreja faz a diferença no meio em que está inserida, em sua comunidade, mas o que importa é ser numérica, mesmo que não tenha qualidade.

O objetivo deste estudo é definir e apresentar uma proposta para trazer para a aplicação pessoal a essência do caráter cristão, entendendo como ele é formado, quais são seus valores, suas virtudes. Veremos como isso faz toda diferença.

Definição

Segundo o Dicionário Aurélio, caráter é definido por: “qualidade inerente a uma pessoa, animal ou coisa; o que os distingue de outra pessoa, animal ou coisa; o conjunto dos traços particulares, o modo de ser de um indivíduo, ou de um grupo; índole, natureza, temperamento”.

Caráter é algo que vai sendo formado e impresso com o tempo em nosso interior, uma verdadeira marca.

O caráter de cada qual não é formado do dia para noite. É um processo gradual que está relacionado a um amplo conjunto de fatores que influenciam na formação de cada um.

Meios como TV, internet, família, religião, infância, desprazeres, decepções, alegrias, enfim, uma gama variada de fatores influencia na formação do caráter de cada indivíduo. Desde o berço.

O caráter cristão – formação, influências e virtudes

Assim como o caráter de cada indivíduo é formado desde o berço, nosso caráter cristão também passa a ser moldado desde o primeiro passo de nossa caminhada com Cristo (Jo 1.12; 3.3).

Os valores do Reino de Deus passam a ser impressos em nós, para que verdadeiramente possamos ser seguidores de Jesus Cristo genuinamente.

Deus usa de muitos meios e formas para que o caráter de seus filhos seja formado, mas sem dúvida alguma, o principal fator de influência é o agir da Palavra dEle na vida de cada um, bem como o consolo e direção que o Espírito Santo dá aos Seus (Ef 1.13).

Afinal, o que pode ser considerado como um caráter cristão? Podemos relacionar alguns pontos, que evidentemente, não serão os únicos:

1) Não se trata apenas de bons valores morais

Apesar de o cristianismo carregar implicitamente um forte viés moral – pois a Bíblia nos dá parâmetros morais – o caráter cristão não está repousando apenas sobre o fato de ser “bom”.

A boa moral está contida, mas de modo algum é o todo. Cada um de nós pode dar exemplos de pessoas que confessam ser cristãs, mas que não são bons exemplos de conduta digna, bem como pessoas não cristãs que são cidadãos de bem.

2) O cristão genuinamente bíblico admite suas falhas

Cada um de nós, sem exceção, é um pecador (Rm 3.23). Todos temos o pecado dentro de nós, e isso produz limitações e consequentemente falhas.

A virtude do cristão de caráter é ser transparente, é ter dignidade suficiente para admitir que é limitado e que depende completamente da misericórdia e graça do Senhor.

3) O caráter moldado cria controle

Quando nosso caráter entra em fase de maturidade, conseguiremos controlar situações que de algum modo podem manchar a marca de Jesus em nós, afetando nosso testemunho cristão.

Neste ponto de plenitude, não haverá espaço para amargura, ira, discórdia, egoísmo, arrogância, discussões, facções.

Apesar de – eventualmente – tais coisas ocorrerem, precisam ser enfrentadas e enfraquecidas.

Nosso ser por completo, mente, atitude, palavras, precisa ser um meio de culto e adoração permanente (Mc 12.30; Gl 5.22).

Com tal caráter formado em nós, passaremos a frutificar em atitudes que atestam que somos de Deus e temos Sua Palavra em nossas vidas. Passamos a frutificar em virtudes, como: 

Autocontrole: - Manter nossos pensamentos, palavras, ações e atitudes em constante obediência para beneficiar os outros;

Coração puro: - Ser livre de impurezas no altar – no coração. Relacionamento constante com Deus e com a Sua presença, nos limpando genuinamente daquilo que nos separa dEle;

Generosidade: - Perceber que tudo que temos pertence a Deus e dar generosamente para beneficiar os outros;

Humildade: - Ninguém é autossuficiente. Vaidade e soberba não devem encontrar espaço no coração do cristão; tais coisas devem ser banidas de nosso meio! Somos um corpo e dependemos uns dos outros;

Imparcialidade: - Trataremos a todos – seja quem for – de modo único, sem acepção de pessoas. Seremos justos com as pessoas, independente de afinidade, sejam amigos, parentes, irmãos, parceiros de caminhada;

Lealdade: - Usar os tempos difíceis para demonstrarmos nosso comprometimento com os outros ou com o que é correto;

Mansidão: - Serenidade. Ser manso, não permitindo que disputas e discórdias tomem conta. Gentil, sensível e paciente com todos;

Misericórdia: - Compaixão pela dor, “pela miséria do coração” alheio. Entender que nosso próximo pode passar por lutas, dores, infelicidades extremas. Experimentar e participar do sofrimento alheio;

Perdão: - Não guardar rancor das pessoas que nos enganaram;

Prontidão: - Ter plena consciência dos acontecimentos que ocorrem à nossa volta, para reagirmos adequadamente;

Pureza: - Vida separada – santificação – para o Senhor. Uma vida distinta num mundo corrupto;

Responsabilidade: - Saber e fazer o que é esperado de nós;

Sem fingimento: - É prazer pela verdade. Não existe espaço para máscaras e ânimo duplo;

Santidade: - Não ter imperfeições.

Hoje, considere como você pode implantar cada vez mais estas qualidades de caráter em sua vida, para a glória de Deus.

Nosso Andar Diário

www.napec.org/

Pb. João Placoná

terça-feira, 14 de outubro de 2014

A Salvação é Eterna ou Provisória? –Áudio

salvacao eterna provisoria

A SALVAÇÃO É ETERNA OU PROVISÓRIA?

Atendendo a dezenas de pedidos, transformei em Áudio, o texto deste ensinamento.

Assim você poderá ouví-lo, além de lê-lo.

https://soundcloud.com/pb-joao-placona/a-salvacao-e-eterna-ou-provisoria

Continue na paz do Senhor!

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

A Salvação é Eterna ou Provisória?

Quando afirmamos que um salvo não perde sua salvação, estamos considerando o salvo como alguém regenerado, que nasceu de novo pelo poder do Espírito Santo.

“Então quer dizer que se eu abandonar a fé e ‘cair no mundão’, ainda assim, serei salvo?”

Pergunto a você, leitor: Será que uma pessoa assim, que “cai no mundão” e permanece no mundão, realmente nasceu de novo?

Será que ela foi regenerada pelo poder do Espírito Santo? Será que nela habita o Espírito de Deus, que nos guia a toda verdade? (Jo 16:13).

Espero ser a sua resposta: “Obviamente, não!”

Há muitas pessoas que iniciam uma vida na igreja, prestam cultos, participam das atividades da igreja, muitas delas são batizadas, participam da ceia, são até tidas como “uma bênção”, mas passado algum tempo elas se desviam dos caminhos de Deus, apostatam da fé e perecem no pecado.

Será que essas pessoas foram verdadeiramente convertidas? Convertidas do pecado vivendo na prática do pecado, isto é possível?

O apóstolo João nos dá a resposta: “Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus.” (1 João 3:9).

Aqueles que nasceram de Deus, de acordo com o apóstolo inspirado, não podem viver na prática do pecado. Logo, segue-se que aqueles que abandonaram a fé, “caíram no mundão” e permanecem no pecado não foram nascidos de Deus, nunca foram regenerados; eles fazem parte do joio e estiveram por um tempo em meio ao trigo, em meio à igreja.

Para elucidarmos de vez esse assunto, vamos agora discorrer sobre cada um dos tópicos:

Um cristão pode perder a salvação?

Uma vez salvo, sempre salvo?

O que dizer de um desviado? Ainda é salvo?

O que dizer de uma pessoa que nega a Cristo?

Então, já que aceitei a Jesus, posso ter certeza absoluta da minha salvação?

Iniciemos, portanto:

Um cristão pode perder a salvação?

Primeiramente o termo “cristão” precisa ser definido. Um “cristão” não é uma pessoa que fez uma oração, foi para a frente do santuário ou cresceu em uma família cristã. Embora cada uma dessas coisas possa fazer parte da experiência cristã, não é isso o que “faz” um cristão.

Um cristão é alguém que recebeu a Cristo através da fé e confiou nEle como o seu único Salvador (João 3:16; Atos 16:31; Efésios 2:8-9).

Então, com essa definição em mente, pode um cristão perder a salvação?

Talvez o melhor jeito de responder a essa pergunta tão crucial seja examinar o que a Bíblia diz que acontece no momento da salvação e estudar o que perder a salvação significaria.

Aqui são alguns exemplos:

Um cristão é uma nova criação

“E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; {criatura; ou criação} as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas” (2 Coríntios 5:17).

Esse versículo está falando de uma pessoa se tornando uma criatura completamente nova como resultado de estar “em Cristo”.

Para um cristão perder salvação, a nova criação teria que ser cancelada e revertida.

Um cristão é redimido

“sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula” (1 Pedro 1:18-19).

A palavra “redimido” (resgatado) se refere a uma compra sendo feita, um preço sendo pago.

Para um cristão perder a salvação, Deus mesmo teria que voltar a trás a Sua compra pela qual pagou com o precioso sangue de Cristo.

Um cristão é justificado

“Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo” (Romanos 5:1).

“Justificar” significa “declarar justo”. Todo aquele que recebe a Jesus como Salvador é “declarado justo” por Deus.

Para um cristão perder salvação, Deus teria que voltar com a Sua palavra e “des-declarar” o que tinha previamente declarado.

Um cristão tem a promessa da vida eterna. “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16).

A vida eterna é uma promessa de eternidade (para sempre) com Deus no Céu.

Deus promete: “acredite e você terá vida eterna”.

Para um cristão perder salvação, a vida eterna teria que ser retirada. Se um cristão tem a promessa de que viverá para sempre, como então Deus pode quebrar essa promessa e retirar a vida eterna?

Um cristão tem a garantia da glorificação

“E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou” (Romanos 8:30).

Como aprendemos em Romanos 5:1, a justificação é declarada no momento de fé.

De acordo com Romanos 8:30, a glorificação é garantida a todos que Deus justifica.

Esse termo se refere a um cristão recebendo um corpo de ressurreição perfeito no Céu.

Se um cristão puder perder a salvação, então Romanos 8:30 está errado porque Deus não pode garantir a glorificação para todo aquele que Ele predestinou, chamou e justificou.

Muitas outras ilustrações do que ocorre no momento de salvação podem ser compartilhadas. Até essas poucas que compartilhamos, no entanto, deixam bem claro que um cristão não pode perder a sua salvação.

A maioria, se não tudo, do que a Bíblia diz que acontece com uma pessoa quando ela recebe a Jesus Cristo como Salvador seria eliminado se a salvação pudesse ser perdida.

A salvação não pode ser revertida. Um cristão não pode deixar de ser uma nova criatura.

A redenção não pode ser desfeita. A vida eterna não pode ser perdida e ainda ser considerada eterna.

Se um cristão pudesse perder a salvação, Deus teria que voltar com Sua palavra e mudar de ideia – duas coisas que a Bíblia diz que Deus nunca faz.

As objeções mais frequentes à crença de que um cristão não pode perder a salvação são as seguintes:

(1) o que dizer sobre aqueles que são cristãos e estão vivendo continuamente em um estilo de vida imoral? – e –

(2) o que dizer daqueles que são cristãos mas no futuro chegam a rejeitar a fé e negar a Cristo?

O problema com essas duas objeções é a suposição “são cristãos”.

(1) A Bíblia diz que um cristão verdadeiro não vai viver continuamente em um estilo de vida imoral (1 João 3:6).

(2) A Bíblia declara que qualquer um que abandone a fé está demonstrando que ele/ela nunca foi um cristão verdadeiro (1 João 2:19).

Não, um cristão não pode perder a salvação. Nada pode separar um cristão do amor de Deus (Romanos 8:38-39).

Nada pode remover um cristão da mão de Deus (João 10:28-29).

Deus está disposto e é capaz de garantir e manter a salvação que nos prometeu. Judas 24-25: “Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diante da sua glória, ao único Deus, nosso Salvador, mediante Jesus Cristo, Senhor nosso, glória, majestade, império e soberania, antes de todas as eras, e agora, e por todos os séculos. Amém!”

Bem, sendo assim, podemos entender que:

Uma vez salvo, sempre salvo?

Quando as pessoas conhecem a Cristo como seu Salvador, são trazidas a um relacionamento com Deus que garante que sua salvação seja eternamente assegurada.

Inúmeras passagens da Escritura declaram tal fato:

(a) Romanos 8:30 diz: “E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou.”

Este verso nos diz que a partir do momento que Deus nos escolhe, é como se fôssemos glorificados na Sua presença no céu.

Não há nada que possa impedir um crente de um dia ser glorificado porque Deus já assim determinou no céu. Uma vez justificado, a salvação é garantida – a pessoa está garantida, como se ela já estivesse glorificada no céu.

(b) Paulo faz duas perguntas cruciais em Romanos 8:33-34: “Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós.”

Quem tentará acusar o escolhido de Deus? Ninguém, porque Cristo é nosso defensor. Quem nos condenará? Ninguém, porque Cristo, o que morreu por nós, é o que condena. Temos como Salvador aquele que é defensor e juiz.

(c) Os crentes nasceram de novo (foram regenerados) no momento em que creram (João 3:3; Tito 3:5).

Para que um cristão perdesse a salvação, teria que ser não-regenerado.

A Bíblia não nos dá evidências de que o novo nascimento possa ser revertido.

(d) O Espírito Santo habita em todos os crentes (João 14:17; Romanos 8:9) e batiza todos os crentes no Corpo de Cristo (I Coríntios 12:13). Para que um crente perdesse a salvação, teria que ser “não habitado” e desconectado do Corpo de Cristo.

(e) João 3:15 afirma que todo aquele que crer em Jesus Cristo “terá a vida eterna”. Se você crê em Cristo hoje e tem vida eterna, mas a perder amanhã, então esta jamais foi “eterna”.

Então, nesse caso, se você perdesse a salvação, as promessas de vida eterna na Bíblia seriam falsas.

(f) Como prova definitiva, creio que a Escritura explica melhor por si só: “Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor” (Romanos 8:38-39).

Lembre-se que o mesmo Deus que salvou você é o mesmo Deus que o manterá salvo.

Uma vez salvos, sempre salvos. Nossa salvação, definitivamente, está garantida para sempre.

Mas,

O que dizer de um desviado? Ainda é salvo?

Esta é uma questão que tem sido debatida incessantemente ao longo dos anos.

A palavra "desviado" (ou "aquele que comete deslize") não aparece no Novo Testamento e é usada no Antigo Testamento principalmente para Israel.

Os judeus, apesar de serem o povo escolhido de Deus, continuamente viraram-lhe as costas e se rebelaram contra a Sua Palavra (Jeremias 8:9).

É por isso que eram forçados a continuamente oferecer sacrifícios pelo pecado a fim de restaurar o seu relacionamento com o Deus a quem tinham ofendido.

O cristão, no entanto, tem a seu favor o sacrifício perfeito e definitivo de Cristo e não mais precisa oferecer sacrifícios pelo seu pecado.

O próprio Deus obteve a nossa salvação para nós (2 Coríntios 5:21) e porque somos salvos por Ele, um verdadeiro cristão não pode se desviar sem voltar.

Os cristãos pecam (1 João 1:8), mas a vida cristã não deve ser caracterizada por uma vida de pecado.

Os fiéis são novas criaturas (2 Coríntios 5:17).

Temos o Espírito Santo que produz bons frutos vivendo dentro de nós (Gálatas 5:22-23).

A vida cristã deve ser uma vida transformada. Os cristãos são perdoados independentemente de quantas vezes pequem, mas ao mesmo tempo devem viver uma vida cada vez mais santa na medida em que crescem mais perto de Deus e mais como Cristo.

Devemos ter sérias dúvidas sobre uma pessoa que afirma ser um crente, mas continua a viver uma vida que diz o contrário.

Sim, um verdadeiro cristão que cai em pecado temporariamente ainda é salvo, mas, por outro lado, uma pessoa que vive uma vida controlada pelo pecado não é um cristão verdadeiro.

Então:

O que dizer de uma pessoa que nega a Cristo?

A Bíblia nos diz que se uma pessoa nega a Cristo, então ela nunca verdadeiramente o conheceu. "Saíram de nós, mas não eram de nós; porque, se fossem de nós, ficariam conosco; mas isto é para que se manifestasse que não são todos de nós" (1 João 2:19).

Uma pessoa que rejeita a Cristo e vira as costas para a fé está demonstrando que nunca pertenceu a Cristo. Aqueles que pertencem a Cristo permanecem com Cristo.

Aqueles que renunciam a sua fé nunca tiveram fé verdadeira. "Esta palavra é digna de confiança: Se morremos com ele, com ele também viveremos; se perseveramos, com ele também reinaremos. Se o negamos, ele também nos negará; se somos infiéis, ele permanece fiel, pois não pode negar-se a si mesmo" (2 Timóteo 2:11-13).

Tudo bem!

Então, já que aceitei a Jesus, posso ter certeza absoluta da minha salvação?

Medite em I João 5:11-13: “E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho. Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida. Estas coisas vos escrevi a vós, os que credes no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna, e para que creiais no nome do Filho de Deus.”

Quem é este que tem o Filho? Aqueles que nEle creram e aceitaram (João 1:12).

Se você tem Jesus, você tem vida. Vida eterna. Não temporária, mas eterna.

Deus quer que tenhamos a certeza absoluta de nossa salvação. Não podemos viver nossa vida cristã nos perguntando e nos preocupando a cada dia se realmente somos salvos.

É por isso que a Bíblia coloca o plano de salvação de forma tão clara. Creia em Jesus Cristo e você será salvo (João 3:16; Atos 16:31).

Você crê que Jesus é o Salvador, que Ele morreu para pagar o preço por seus pecados (Romanos 5:8; II Coríntios 5:21)?

Você confia somente nEle para a salvação?

Se sua resposta for sim, você é salvo!

Certeza absoluta significa “além de toda e qualquer dúvida”. Ao levar a sério a Palavra de Deus, você pode saber “além de toda e qualquer dúvida” o fato e realidade de sua eterna salvação.

O próprio Jesus declara a respeito de todos os que nEle crerem: “E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai” (João 10:28-29).

Mais uma vez, isto enfatiza o “eterno”. Vida eterna é simplesmente isto: eterna.

Não há ninguém, nem mesmo você, que possa arrancar de si próprio a salvação, o dom de Deus em Cristo.

Memorize estas passagens.

Devemos esconder a Palavra de Deus em nossos corações para não pecarmos contra Ele (Salmos 119:11), e isto inclui o pecado da dúvida.

Alegre-se no que diz a você a palavra de Deus, que ao invés da dúvida, vivamos com confiança!

Podemos ter certeza absoluta, vinda da própria Palavra de Cristo, de que a condição de nossa salvação, uma vez garantida, nunca será questionada.

Nossa certeza absoluta é baseada no amor de Deus por nós através de Jesus Cristo. Judas 1:24-25 diz: “Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e apresentar-vos irrepreensíveis, com alegria, perante a sua glória. Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre. Amém.”

Para conclusão deste estudo recorremos ao site: www.gotquestions.org/portugues/

Pb. João Placoná

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Por que os Cristãos combatem o Espiritismo?

Espiritismo etc

Durante milhares de anos, e em várias partes do mundo, milhões de pessoas têm buscado revelações especiais, tentando contatar os mortos.

Há alguns que creem firmemente que os mortos retornam para avisá-los de perigos, ou para guiá-los em suas vidas e decisões, ou para assombrá-los e ameaçá-los.

Muitas pessoas procuram médiuns que alegam facilitar seu contato com os seus familiares mortos.

Todos os esforços para comunicar com os mortos, sejam diretamente ou através de médiuns, são contra a vontade de Deus e resultarão em condenação.

A necromancia, ou comunicação com os mortos, foi explicitamente proibida juntamente com várias outras falsas práticas religiosas, quando os israelitas foram resgatados da escravidão egípcia (Deuteronômio 18:9-14). Vejamos:

“9 Quando entrares na terra que o SENHOR, teu Deus, te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos.

10 Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro;

11 nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos;

12 pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao SENHOR; e por estas abominações o SENHOR, teu Deus, os lança de diante de ti.

13 Perfeito serás para com o SENHOR, teu Deus.

14 Porque estas nações que hás de possuir ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém a ti o SENHOR, teu Deus, não permitiu tal coisa.”

Tais práticas foram a razão pela qual Deus rejeitou as nações que tinham ocupado a terra de Canaã.

Ele advertiu seu povo a não imitar esses pecados, porque eles sofreriam a mesma punição de expulsão da terra.

O contexto desta proibição em Deuteronômio 18 ajuda a ver porque a necromancia é abominável a Deus.

Só Deus é conhecedor do futuro. As supostas adivinhações praticadas por essas pessoas (sendo elas sinceras ou não) são inspiradas por espíritos malignos oportunistas e enganadores, cujo propósito é aprisionar espiritualmente todos aqueles que em tal armadilha se lançam.

A Bíblia diz em Isaías 8:19 “Quando vos disserem: Consultai os que têm espíritos familiares e os feiticeiros, que chilreiam e murmuram, respondei: Acaso não consultará um povo a seu Deus? acaso a favor dos vivos consultará os mortos?”

Depois de uma lista de várias fontes de revelação desaprovadas Deuteronômio (18:9-14), encontramos o contraste claro com a fonte aprovada, a Palavra de Deus, Deuteronômio (18:15).

“15 O SENHOR, teu Deus, te suscitará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, semelhante a mim; a ele ouvirás.”

Esta passagem aponta explicitamente para Jesus Cristo, o profeta que seria levantado por Deus.

Entender este princípio nos ajuda a ver porque todas as formas de idolatria, adivinhação, astrologia, feitiçaria e necromancia são erradas.

Procurar revelação em tais fontes é rejeitar a autoridade do Filho de Deus e colocar-se nos braços dos comandados por Satanás.

Pr. Reinaldo Ribeiro

Pb. João Placoná

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

O Cristão pode beber cachaça e fumar?

bebida fumo

Há muitas dúvidas, entre o povo, no que concerne ao consumo de bebida alcoólica e uso do tabaco.

Este vídeo é bastante esclarecedor e dará uma visão do que a Bíblia Sagrada fala sobre o assunto.

Desmistifiquemos de vez a tese que o vinho que Jesus tomava era um simples suco de uva, sem fermentação.

O vídeo foi feito pelos jovens Yago Martins e Felipe Cruz do site “Dois dedos de Teologia”

Para ver/assistir esta mensagem, clique aqui:

https://vimeo.com/107829366

Fique na paz do Senhor!

Pb. João Placoná – Bacharel em Teologia, Pregador da Palavra, Palestrante e Articulista.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Os 7 Espíritos de Deus

sete

Quando nos referimos ao Espírito Santo sempre tomamos como referência os Sete Espíritos de Deus, que são facetas do Espírito Santo, e este deseja implantar em nós estas virtudes.

Estes são os 7 Espíritos de Deus que João viu:

Ap. 4:5 – 5 ...as quais são os 7 Espíritos de Deus

Isaías 11:2

E repousará sobre ele o Espírito do Senhor, o Espírito de sabedoria e de entendimento, o Espírito de conselho e de fortaleza, o Espírito de conhecimento e de temor do Senhor.

O número 7 é um número simbólico, qualitativo, comunicando a idéia de algo completo e, quando relacionado a Deus, a idéia de perfeição. Representa a presença do Espírito Santo diante do trono de Deus.

Portanto, o Espírito Santo é manifestado em termos de perfeição de sua atividade dinâmica, complexa.

Uma igreja sobre a qual é derramado os 7 Espíritos de Deus desfrutará de uma plena visitação e manifestação do Espírito Santo, e poderá vir a ser morada de Jesus, não desfrutando apenas de visitações mas sendo habitação da glória de Deus…

O preço a ser pago é: Separação, santidade e renúncia.

Ao mesmo tempo em que estamos próximos de ter a glória de Deus se manifestando em nosso meio, estamos muito longe, porque os 7 Espíritos habitam em nosso meio somente após uma renúncia completa do “eu”, e uma entrega total ao Senhor.

1) O ESPÍRITO DO SENHOR

Este é o que concede as habilidades para um Rei, ser Senhor é ser soberano, é ter domínio da situação, é viver no senhorio de sua vida, é não se curvar aos prazeres da carne, e aos encantos de satanás.

2) O ESPÍRITO DE SABEDORIA

Este é o que traz o conhecer sem ver, ter a resposta antes da pergunta, é ser sábio tanto no pensar quanto no falar ou no agir. Só o Espírito do Senhor pode nos levar em excelência a algum lugar. Foi o que Salomão pediu, e foi o que ele teve.

3) O ESPÍRITO DE INTELIGÊNCIA

Este é o que dá capacidade para desenvolver estratégias, capacita a mente para discernir qual caminho seguir, tomar a decisão certa nas horas mais incertas, ter percepção de tudo. Se a sabedoria dá conhecimento, a inteligência dá capacidade.

4) O ESPÍRITO DO CONSELHO

Este é o que tem a boa palavra, a palavra que produz vida, aquela que se dá sobre o que convém fazer, é o juízo, o ensinamento, é o fruto que produz vida.

5) ESPÍRITO DE FORTALEZA

Este é o que dá energia, segurança, é virtude dos fortes, qualidade de ser forte, traz constância, solidez ao justo. Estabelece os fundamentos para o firmamento, e assim estarmos prontos para o dia da luta.

6) O ESPÍRITO DE CONHECIMENTO

Este é o que dá a experiência para o discernimento, consciência de si própria, este é o que tem a instrução, a perícia a cultura. É o que nos capacita para não cometermos o mesmo erro duas vezes.

7) O ESPÍRITO DO TEMOR

Este é o que dá o sentimento profundo de reverência ou respeito, também o zelo e a pontualidade. Este nos prepara para nos aproximarmos de Deus, e nos colocarmos na condição de adoradores.

João Placoná – Presbítero, Bacharel em Teologia, Pregador da Palavra e Articulista.